1 de mar de 2010

Tateando no escuro á procura da porta
sente a humidade das paredes nos dedos
o cheiro de mofo que vem do teto infiltrado
o cheiro podre que envolve toda a casa
nunca chega á porta
nem sabe se não está trancada
se estiver está perdido
nem gritar adianta naquele inferno
quando o dia clarear poderá ver algo
com a luz que passará pelas frestas
poderá procurar ajuda
se libertar do cárcere.

Nenhum comentário:

Postar um comentário