7 de dez de 2010

O cheiro da dor

Eu sinto o cheiro da minha dor
essa dor que se entranha em meu corpo
definha meu coração
corrói minhas veias
apodrece minha mente,
e o seu cheiro é bom
é o mesmo da infância
de quando eu ficava sozinha
serena e calma sentada
construindo sonhos,
essa dor que dilacera meu peito
faz do seu perfume um bálsamo
que cura as feridas por ela causadas
que lembra que um dia não tive medo de sonhar
e de pensar que posso ser feliz.
Quarto esferas cintilantes vão guiando o meu olhar
quatro destinos diferentes seguirão sem me notar
quatro cores e seus tons vão colorir o derradeiro dia
quatro bocas falam coisas que não consigo escutar
quatro peças deste jogo vão cair ao amanhecer
e quem permanecer, com as quatro portas abertas, irá atravessar para o outro lado
sem medo vão brilhar os quatro sóis
e cada qual com seus quatro raios vai aquecer
á cada quatro nuvens vai chover
á noite, o frio vai nos unir
de quatro em quatro vamos sorrir
e se o teu sorriso não me for suficiente
quatro espadas te atravessarão
quatro vezes trovoará
até que a lua em quarto crescente surja
para iluminar o quarto escuro em que me encontro
chorando há quatro dias a tua falta.