22 de nov de 2009

São mais de oito e meia da noite
e o céu ainda está claro,
nada mais me resta que chorar a alma de mais um irmão que sobe ao céus,
porque a desgraça da more não poupa nem os miseráveis,
as escuras nuvens da chuva que caiu á tarde fazem um lindo contraste com o sol que desce
com seus raios vermelhos colorindo a parede branca ao meu lado,
se ao menos um pássaro passasse cantando
eu poderia sorrir,
mas tudo parece parado, morto,
o único som audível é o da sirene que avisa ao quatro cantos que mais alguém morreu,
á essas horas fazem fila no céu,
esperando adentrar o paraíso,
só eu estou sentado aqui, sozinho,
admirando a vista que tenho por detrás destes paredões de concreto,
para que construíram isto aliás?
Não se contentavam em morar nas velhas choupanas
que se encharcavam e caiam quando a chuva vinha,
organização funesta,
que só serve para limitar nossas vidas,
limitar nossas almas,
agora todos correm apressados
de um lado para o outro,
tentando chegar na frente do outro,
só eu paro, observo, e me calo estupefado diante de tamanha rivalidade,
acham que evoluíram... tolos,
agora não passam de vermes rastejantes que habitavam nosso planeta nos primórdios dos tempos,
ainda piores, pois tem a capacidade de pensar mal utilizada,
voltada para o mal.
Eu canso de tanto lembrar de meu tempo de menino,
de como tudo era diferente,
minhas costas doem,
o céu já escureceu e nem notei
mesmo com a cabeça voltada para cima á mais de uma hora,
tenho de entrar antes que gritem pelo meu nome,
mania de preguiçosos...
gritar ao invés de vir aqui me chamar,
lembro quanto eu temia meus avós,
mesmo tão amáveis comigo,
tantos anos de trabalho para acabar assim,
um velho trapo sonhador e desrespeitado,
a umidade da noite me formiga os pés,
levanto agora ou morrerei aqui sozinho e triste,
talvez ninguém chore por mim.

17 de nov de 2009

Ele tem nome, sobrenome e família
ele tem rosto, forma e perfume
ele tem sentimentos tanto quanto desejo
ele tem amor, tem dor, tem sofrer
tem paciência, tem vontade, sabe o que fazer
ele tem á mim, até certo ponto
ele tem á mim
certo ponto cravejado no peito
fundo e inretirável
mesmo que quizésse esquecê-lo não poderia
é tarde demais
seu nome já está tatuado em minha carne
seus olhos são tudo o que vejo quando fecho os meus
eu sempre vou sorrir quando ô ver
mesmo que me faça triste...
quando não ô tenho
quando não ô vejo
quando não ô beijo
quando não ô ouço
não ô leio ou não ô quero mais...
isso foi fundo demais
foi longe demais
tempo demais
muito mais do que eu esperava
muito mais do que eu queria que fosse
é muito tempo meu amor
muito tempo para mim
muito tempo para ele
eu quero tempo para nós
ao mesmo tempo que sei que de nada adianta
oh infame, vil, mesquinho e egoísta tempo
que me rouba a razão quando deveria tê-la
que me rouba o coração e só me deixa sofrer
da terrível certeza de que de nada adinta amar
o fim é certo
o caminho é longo
talvez eu tenha me cegado em nosso escontro
e tenha me deixado embalar pelo som da sua voz
sim, foi isso
como num sonho
como num filme
mas a realidade é sempre pior
é sempre covarde
torço para que eu esteja errada
que seja apenas mais uma história inventada
pela minha própria mente para me confunfir
como eu queria não pensar em nada
como eu queria a infância roubada
e a inocência sem dor
para simplesmente não conhecê-lo
para simplesmente não saber o que é amar
eu te maldigo verme da razão
eu te maldigo e sempre
por mais que tu me sejas precioso
é sempre necessário em alguém pôr a culpa...
a minha própria mente me trai
mas todo meu sentimento me atrai
á dizer não á toda idéia tola
á dizer sim ao que eu quizér dizer
e a viver tudo tão intensamente
como se nunca mais fosse fazê-lo
e viver o qu é?
que diabos é isto tão dito, discutido e proseado?
deixem que seus corações respondam
e verõ que sim, todo bem existe
e todo sonho pode se tornar realidade.

12 de nov de 2009

Eu quero ver
um sorriso torto,
um falar grosso
e uma cara de mal,
sua mão grande
fechar apertada
pronta pra um soco
e um ponto final.
A simetria com que se faz a ação
tira toda a graça de um sorriso triste
então não meça esforços para ser feliz
não se martirize se no velório sorrir
pense que é mais uma alma que se liberta do corpo
é mais um anjo que chega ao céu
e que na minha hora ninguém chore,
ninguém sofra
pois ninguém morre
é apenas a carne que vai alimentar a terra
serei eterna se assim quiseres
guardada eternamente em tua lembrança.
Mesmo que deitasse todas as lágrimas julgadas necessárias,
ainda sim meus lábios estariam molhados ao ver-te
e meu coração pleno ao ter-te.
A lágrima que cai do coração do homem
enche rios e mares em seu nome,
as pérolas que saem da sua boca
se depositam ao fundo em caixinhas chamadas conchas
e suas esperanças colorem de verde o azul do céu
que desce pela chuva
e faz renascer o ciclo
o homem que chora
é vida que brota da dor
homem que fala
é beleza que brota do amor
ma o que acho mais bela ainda
é sua cor
que ensina a não desistir
que ensina a sonhar sem medir
e me diz que tudo posso nessa vida