18 de fev de 2010

Ainda temo meus padrões
formas passionais de vida
a rima se perdeu num infinito de vozes
gritam loucas por liberdade
cada qual com sua sina
temo meus temores
me orgulho de meus gestos
tudo tão simétrico, tão reto
até os erros são pré medidos
centrados, pura análise
as fugas são pré vistas
fuga da alma, fica o corpo
só pra ter um rosto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário